terça-feira, 16 de janeiro de 2018

# Livro # Resenha

RESENHA: Dias de Inferno na Síria

Leia este livro reportagem e se emocione com cada detalhe da história.



SINOPSE: 
O jornalista Klester Cavalcanti saiu de São Paulo, em maio de 2012, com a missão de registrar a realidade da guerra civil na Síria, iniciada em março de 2011. Partiu para Beirute, no Líbano, com toda a documentação em ordem. Tinha o visto sírio, uma lista dos equipamentos que poderia portar, passaporte e um contato esperando-o na cidade de Homs, então epicentro do conflito entre as forças do ditador Bashar al-Assad e os rebeldes do Exército Livre da Síria. Seu plano era entrar em território sírio pela fronteira libanesa e acompanhar por alguns dias a ação dos rebeldes. Mas nada aconteceu como planejado. O jornalista foi preso pelas tropas oficiais, torturado e encarcerado por seis dias numa cela que dividia com mais de 20 detentos. Acostumado a denunciar violações dos Direitos Humanos no Brasil, o jornalista conseguiu fazer seu trabalho no ambiente inóspito da prisão. Naquele microcosmo, estavam os personagens e as histórias que precisava para retratar a guerra civil que acompanhava da cela, ouvindo os tiros e as explosões que vinham das ruas. O resultado é este 'Dias de Inferno na Síria', que apresenta o conflito sírio de uma perspectiva vista de dentro, ao mesmo tempo em que e as vítimas e os algozes da guerra podem ganhar a dimensão humana que faz refletir sobre as diferenças religiosas, de raça e de poder que maltratam o mundo.



RESENHA:

O livro reportagem Dias de Inferno na Síria, do jornalista e autor Klester Cavalcanti, é emocionante e surpreendente, pois conta sua tragetória de quando decidiu ir a Síria cobri a guerra, até seu retorno ao Brasil. São relatos minuciosos e segredos de cada momento angustiante e de tortura que viveu nas mãos do exército Sírio. O livro recebeu o prêmio Jabuti em 2013.

O jornalista brasileiro Klester Cavalcanti decidiu cobri a guerra na Síria em 2012, para isso precisava conseguir o visto do governo sírio para entrar legalmente no país. Com esse objetivo em mente organizou a documentação e entrou em contato com a embaixada síria no Brasil, localizada em São Paulo e solicitou o visto, mas teve que aguardar por alguns meses, nesse período de espera, passou por sua mente entrar ilegalmente no país e nesse momento já entrara em contato com um militar do Exército Livre da Síria que explicou-lhe os riscos que correria caso fizesse isso e também os procedimentos para entrar sem ser pego pelo exército do Governo Bashar al-Assad. Ele estudou a geografia da guerra para saber a localização de tudo e identificar cada local no país.




Klester conseguiu o visto e embarcou para Síria, mas ao chegar lá não foi a embaixada brasileira em Damasco e resolveu ir sozinho para Homs, a cidade onde os confrontos de guerra eram constantes e assustador. Pois seu objetivo era filmar, fotografar e registrar tudo de perto sem a interferência de nenhum soldado do governo. Foram horas de angustia para conseguir chegar na cidade desejada, aconteceram vários imprevistos que não estavam em seus planos. Porém, sua força de vontade e persistência não o deixou desisti em nenhum momento.





O livro está dividido em 14 capítulos, entre eles a temática "Entre Tiros e Explosões, capítulo 6. Nesse momento Klester estava na cidade Homs, passando pelos piores momentos de sua vida e em sua mente já estava contendo pensamentos negativos, porque não conseguia controlar tanto as preocupações e dor, por estar  em uma situação totalmente fora de controle.

Os soldados não sabiam falar inglês e isso dificultou a vida do jornalista por não ter como dialogar e explicar sua legalidade no país. Os poucos que falavam não tinham domínio e pouco compreendiam suas palavras. A cada hora que se passava naquele ambiente hostil era torturante e angustiante, por não saber o que estava acontecendo lá fora e se sobreviveria ou não. 

Mesmo com sua documentação legal e com o visto sírio, o jornalista não teve como evitar tantos tormentos e ao ser levado para a Penitenciária como um preso qualquer, seus equipamentos e visto ficaram em poder do exército, o que fazia pensar que seria executado sem deixar pistas, já que as forças do governo poderiam matá-lo e alegar que havia entrado ilegalmente no país, principalmente sabendo que dois dias antes de sua ida para aquele local, dois jornalistas haviam sido assassinados sem maiores esclarecimentos.

Klester Cavalcanti conseguiu descobri muitos fatos isolados pela mídia e registrar várias imagens sem que fosse descoberto. Quais foram seus registros? O livro trás várias imagens feitas por Klester. Como ele conseguiu fazer essas imagens sem ser visto?





O jornalista pensava a todo momento que seria executado sem deixar pistas, pela forma em que tudo ocorria em Homs. O que houve com ele durante os dias que passou preso em Homs?
Klester Cavalcanti sofreu que tipo de tortura? Como ele foi libertado?

Leia o livro e descubra todos os relatos do jornalista, desde sua ida a Síria em maio de 2012, até seu retorno ao Brasil e conheça cada detalhe dos acontecimentos e se emocione com essa história real, de força e persistência.

Nota: 5


14 comentários:

  1. Coisas com essa pegada real não tem como não se emocionar.
    O problema, tantas situações vividas na Síria, acredito ser impossível não derramar uma lágrima ao ler esse livro.
    Já quero para ontem, sem dúvidas.

    Abraços,
    Naty
    http://www.revelandosentimentos.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade! O livro é muito emocionante mesmo. Bjss

      Excluir
  2. Oii Iza, tudo bem? deve ser um livro bem emocionante mesmo e tbm dramático, fiquei curiosa para ler.
    -Beijos, Carol!
    http://entrehistoriasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro é muito bom, com certeza é uma ótima opção de leitura. Bjss

      Excluir
  3. Esse livro deve ser emocionante mesmo. Não consigo imaginar o quão sofrível foi a estadia dele por lá.
    Já quero lê-lo!

    Beijo!
    Cores do Vício

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia sim, é tão surpreendente que você vai se emocionar e se apaixonar pela forma que Klester conta cada detalhe de tudo que passou. Bjss

      Excluir
  4. Parece ser uma ótima leitura e interessante por serem fatos reais narrados por quem viveu essas experiências. Dica anotada!

    Beijos,
    Pri
    www.vintagepri.com.br


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma narrativa incrível. Você não vai conseguir parar de ler até finalizar. Bjss

      Excluir
  5. Ainda não tinha visto esse livro, pela resenha já percebi que é ótimo, dica anotada :D

    https://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bom?
    O livro foge bastante do que estou acostumada por ser não-ficção e ser mais informativo.
    Gostei muito da premissa, parece um livro bem triste e pesado.

    Beijos, Ally.
    Amor Literário

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem! É muito diferente mesmo, por transmitir fatos reais. Bjss

      Excluir
  7. Oie,

    O livro parece ser bem marcante devido aos fatos que o jornalista presenciou na síria.
    Gostei da premissa. Vou anotar aqui.
    Bjs
    http://diarioelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito marcante, o fato de ser experiências reais e de guerra nos trás um outro olhar. Bjss

      Excluir